Carnaval 2015 Porto Alegre – Carnaval de Rua da Cidade Baixa terá regras e horários definidos

rio-grande-do-sul-carnaval-porto-alegre-carnaval-de-rua-da-cidade-baixa-sortimentos

O prefeito José Fortunati e o vice Sebastião Melo se reuniram na segunda-feira, 12 de fevereiro de 2015, com lideranças dos moradores e empresários da Cidade Baixa, secretários e gestores municipais, representantes da Brigada Militar, Polícia Civil, Ministério Público Estadual e Conselho Tutelar, para tratar do regramento e infraestrutura necessários à realização do Carnaval de Rua da Cidade Baixa. O evento, organizado por blocos e associações, terá dias, horários e percurso previamente definidos e deverá respeitar algumas normas que estão sendo definidas em conjunto com a comunidade.

 

O encontro foi convocado pelo prefeito para debater alternativas e soluções para as questões que envolvem o Carnaval de Rua, como segurança, limpeza urbana, trânsito e mobilidade, saúde, etc. “A prefeitura não organiza este evento, não se trata de um evento oficial. É uma manifestação popular espontânea. Mas exige uma preparação, organização e um regramento. Temos que garantir o sossego e a tranquilidade dos moradores e preservar essa tradicional festa na cidade”, disse Fortunati. Em seguida, moradores, comerciantes, representantes de entidades do bairro e dos órgãos públicos se manifestaram e fizeram sugestões.

 

Uma das alternativas que está sendo analisada é que os blocos de Carnaval se concentrem numa praça ou local amplo, percorram uma rua do bairro e depois a dispersão aconteça na orla do Guaíba. A pedido dos moradores e comerciantes, também serão definidos dias e horários específicos. A Brigada Militar informou que esse calendário, por questões de segurança, não poderá conflitar com outros grandes eventos na cidade, e se comprometeu em colocar uma guarnição, com 20 PMs, para trabalhar no local.

 

Outro ponto acertado na reunião é que os gastos com hora-extra das equipes de limpeza, fiscalização e segurança, banheiros químicos, atendimento médico, entre outros, deverão ser custeados pelos organizadores e seus patrocinadores. “Nós daremos o devido apoio, sem envolver custos extras, e, principalmente, buscaremos manter a festa com regramentos, buscando um equilíbrio entre foliões, moradores, comerciantes e todos os envolvidos. Não permitiremos excesso e contaremos com a parceria da iniciativa privada, por meio de patrocínios, para arcar com os gastos excedentes que a festa venha a apresentar”, explicou o vice-prefeito.